web analytics

NAVIOS A VISTA, …»blog para troca de impressoes sobre navios e portos», es el portal marítimo de Rui Amaro,…” reformado da agência de navegação GARLAND, LAIDLEY / VESSELMAR (Administrativo e Caixeiro de mar) – PORTO. Autor do livro «A BARRA DA MORTE – A FOZ DO RIO DOURO«, cujo lançamento teve lugar a 14/04/2007 no estaleiro norte das obras da nova barra do rio Douro, à Foz do Douro – Porto”. Un libro que estoy intentando conseguir y que prometo dedicarle un buen espacio en nuestra VIDA MARITIMA. Este excelente blog, imprescindible en nuestra biblioteca virtual, retrata y muestra el alma marítima lusa de la que confieso soy un gran aficionado. El blog, como el nuestro, tiene su origen en el año 2007, y son innumerables los post que podemos disfrutar en el.

Vapor BALBOA. Foto de la web PICTURE AUSTRALIA.jpg
Vapor BALBOA. Foto de la web PICTURE AUSTRALIA.jpg

Una de las series de post va dedicada a los Navíos Atacados, Afundados ou Mandados Parar; tristes condiciones de las guerras, y uno de estos navíos es el GONÇALO VELHO. Antes de continuar con las notas del Sr. Rui Amaro, daremos unos apuntes sobre el libro PALM LINE. Escrito por Lawrence Dunn y por P.M.Heaton, lo publico en 1994 P.M.Heaton Publishing, de Abergavenny, Gwent, Gran Bretaña. Su ISBN es 1 872006 01 9. Uno de esos pequeños y clásicos libros ingleses de muy agradable lectura. Según este, el vapor LINMERE pertenecia a la Bromport Steamship Co. Ltd., y se recepciono en 1913, es decir, justo al inicio de la Gran Guerra. El libro apunta: …” Al fin de las hostilidades la mitad de la flota se habia perdido con la tragica perdida de 53 vidas. Los cuatro buques supervivientes –FLAXMERE, RABYMERE, OAKMERE y LINMERE fueron reforzados con la llegada del KULAMBANGA que fue transferido desde Lever Bros. Pacific Plantations, pero no se planeo ningun tipo de expansion adicional”

El GONÇALO VELHO. Foto del libro PALM LINE.jpg
El GONÇALO VELHO. Foto del libro PALM LINE.jpg

El libro apunta que  la casa propietaria, Lever Bros., decidió deshacerse de los buques que se operaban con perdidas, y tres de ellos, FLAXMERE, OAKMERE y LINMERE fueron vendidos a MacAndrews´ quien los renombra como BOSCAN, BAZAN y BALBOA. Pues bien, aquel LINMERE, que luego seria el BALBOA en 1923, pasa, en 1928 a ser el GONÇALO VELHO, de la compañía Carregadores Açoreanos. Es el buque que hoy estudiaremos. Botado el 22 de enero de 1913, con el numero de grada 253 de Murdoch & Murray, de Port Glasgow, se entrega a sus armadores en marzo de ese mismo año, como ya hemos dicho, con el nombre de LINMERE.
Dos son los apuntes que hace el Sr. Rui Amaro en su blog NAVIOS A VISTA, en los que cita la vida del buque y los problemas que encontro en su vida operativa en la Segunda Guerra Mundial. Veamos el primero de ellos: …” GONÇALO VELHO – ex Inglês BALBOA, ex Inglês LINMERE -Longo curso –1915–86m/1.525tb– Carregadores Açoreanos, Ponta Delgada.
A navegação mercante para os portos do norte da Europa e do Mediterrâneo começava a diminuir, devido à situação de guerra e sobretudo aos campos de minas, particularmente junto dos portos dos países beligerantes.
Logo no inicio da guerra, o GONÇALO VELHO, que saíra da barra do Douro e atravessara a zona critica, escalando Londres, Roterdão e Ostende, exibindo em ambos os costados o seu nome e nacionalidade bem visível em letras grandes pintadas de branco alvinitente e ao centro a bandeira verde-rubro de Portugal, a fim de dar a conhecer a sua identidade neutral às forças beligerantes, era capitaneado pelo Comandante Ramos de Sousa, um português de Cabo Verde, que além de marinheiro era um distinto advogado.
Durante a travessia do estreito de Dover, eram recebidos dezenas de telegramas emitidos pelos postos costeiros e navios localizando minas nas proximidades, pelo que se navegava com as maiores precauções. Vasos de guerra e aviões em patrulha foram avistados às dezenas sem importunarem. Navegava durante a noite com todas as luzes acesas, reforço de projectores a iluminarem as bandeiras pintadas nos dois costados e na torre da agulha-padrão, o que não se passava com as embarcações das nações em conflito, que utilizavam iluminação reduzida ou navegavam em completa escuridão.
Quando o GONÇALO VELHO deixava a barra de Ostende, onde se fora abastecer de carvão, a fim de rumar ao rio Douro, foi visto um vapor Norueguês, que na sua esteira abandonava aquele porto belga, chocar com uma mina, acabando por se afundar, depois da respectiva tripulação ter sido salva».
En el siguiente apunte cita: …»GONÇALO VELHO
A 08.11.1940, em plena guerra mundial, o GONÇALO VELHO, capitaneado pelo Comandante Joel Madeira Lopes Gomes, encontrava-se em viagem de Reykjavik, Islândia, para Leixões transportando cerca de 1.800 toneladas de bacalhau.
Desde as 12h21 desse dia, o GONÇALO VELHO vinha sendo perseguído pelo submarino Alemão U-47 comandado pelo famoso Kapitanleutnant Gunther Prien. Uma hora e meia mais tarde, a oitocentos metros de distância, ainda submerso, o capitão Alemão identificava o vapor. Às 13h58 na posição 52.30N e 17.30W, ao sudoeste da Irlanda, o vapor português foi surpreendido pelo comandante do submarino, que mandou disparar dois tiros de peça sobre o navio, obrigando-o a deter-se. Aproxima-se de seguida e, por meio de sinais de bandeiras, ordena para que sejam enviados para bordo do U-47 os documentos e manifestos de carga do navio.
Com a tripulação a preparar-se para arriar a baleeira de bombordo, que deveria conduzir a documentação solicitada, o navio ficou posicionado com o costado de estibordo de través à vaga, manobra essa resultante do facto do vapor ter sido, repentinamente, impelido na direcção do submarino. Esse incidente inesperado assustou o capitão Alemão e levou-o a suspeitar que o comandante Joel Gomes pretendesse abalroar o submarino. Dá ordem imediata para se afastarem do vapor português e dispara mais dois tiros de peça contra o GONÇALO VELHO, o último do qual atingiu a sua proa, causando ligeiros danos. Examinados, finalmente os documentos e manifestos do GONÇALO VELHO levados para bordo do U-47 pelo imediato Armando Cordeiro, numa segunda travessia de baleeira e confirmada a legitimidade da carga do navio, o Comandante Joel Gomes recebeu o pedido de desculpas do seu colega Alemão, pelo incidente ocasionado e foi instruído para se afastar daquela zona e guardar estrito silêncio telegráfico.
Aceites aquelas condições, o GONÇALO VELHO retomou às 14h47 a sua rota para Leixões, onde entrou a 14 conduzido pelo prático Bento da Costa, sem mais percalços, notando-se um grande buraco à proa, por baixo do escovém de bombordo.
O Kapitanleutnant Gunther Prien, comandante do submarino U-47, antigo oficial da Marinha Mercante e às da “Kriegsmarine”, que em Outubro de 1939 afundou o couraçado inglês de 32.000 toneladas, HMS ROYAL OAK na sua base de Scapa Flow, tendo sido agraciado por esse facto, juntamente com a sua tripulação, por Adolphe Hitler, pereceu, juntamente com toda a tripulação, após afundamento do seu submarino U-47 através de cargas submarinas lançadas por duas corvetas da “Royal Navy” a 08.03.1941 ou seja quatro meses após o incidente com o GONÇALO VELHO.
O GONÇALO VELHO foi construído e completado em Março de 1913 pelo estaleiro Murdock & Murray Ltd., Port Glasgow, para o armador Watson Steamship Co., Ltd., Manchester, passando mais tarde pelos armadores Bromport Steamship Co., Ltd., Liverpool, e MacAndrews & Co., Ltd, Londres. Em 27.03.1928 foi adquirido, juntamente com o seu gémeo ANGRA, pelos Carregadores Açoreanos, Ponta Delgada, que o colocou na carreira dos Açores/Madeira/Continente para o norte da Europa. Em 1948 foi vendido à Sociedad de Navegacion Tenax SA, Panamá, conservando o mesmo nome e em 1949 foi adquirido pela Sté. Anonyne de Navegacion San Georgio, Basileia, passando a arvorar pavilhão Suíço com o nome de GENEROSO. Em 1953 foi vendido ao armador Italiano Gabbiano SRL., Veneza, mantendo o mesmo nome e a 25.07.1961 chegava a Viareggio onde foi desmantelado para sucata».
Recomendamos fervientemente la visita a la página web NAVIOS A VISTA, y también nuestra atención a los blogs portugueses que nos recomienda, ya que en ella hay interesantísimos relatos de la Vida Marítima portuguesa.


Comentarios

Una respuesta a «O NAVIO GONÇALO VELHO»

  1. Avatar de
    Anónimo

    Boa tarde a foto deste navio leva-me a minha meninice na Foz do Douro quando da meia laranja via entrar este e outros navios, e pergunto se terá alguma foto do vapor «IVO» da CNN que fazia viagens de Lisboa para o Douro, para receber carga, este navio mais tarde foi substituido pelo n/m «Tagus» recordações de um velho marinheiro saudações nauticas mauricio

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Secured By miniOrange